sábado, 4 de julho de 2015

Ódio racial e preconceitos não escolhem classe social. O Brasil é um país doente.

Minha filha estuda em escola pública. A maioria das crianças mora em favelas aqui da Barra da Tijuca. Mudamos de escola (também municipal) pois na anterior, detentora do maior IDEB, minha filha sofria agressões das alunas e assédio moral da professora, que acahava normal chamar as crianças de "favelados" ou "bichos que precisam de domador".

Na escola nova, um espaço mais humano. Ainda assim, bastou Dora destacar-se por ser articulada, curiosa e sempre responder ao que a professora pergunta em sala. Quinta-feira um outro aluno, de 9 anos, incomodado com o protagonismo e empoderamento de minha filha,  achou conveniente abordá-la no recreio e dizer: " só não te bato por você não ser da minha cor".

Imagine como não são as relações na vida dessa criança. O que vê da postura do pai, mãe, família (sabe a tia preconceituosa que você não contesta quando fala merda nas reuniões sociais? Pois é...) e vizinhos.

Por isso, antes de compartilharem hashtags e abrirem a boca para repetir o bordão imbecil "menos cadeias, mais escolas", lembrem-se que criança na escola NÃO significa um bandido a menos em formação. Escola só funciona se o círculo familiar e social da criança proporcionar uma base moral, social e intelectual sólida e multiplicável na própria comunidade. Caso contrário, a escola não serve para nada. Não é obrigação dos docentes fornecer princípios básicos de cidadania e respeito ao próximo. De certo ou errado. Pouco adianta a escola reforçar valores que serão jogados no lixo já na condução para casa e desacreditados pela família e amigos.

Vocês não fazem ideia de quanta gente pobre, fodida, que vive em lugares sem condições mínimas de cidadania, mulheres e homens, acha normal bater em mulher, matar homossexuais, humilhar e maltratar pretos. Gente que achou legal as ofensas à Maju.

Por isso, mais importante do que achar os culpados de ocasião, é parar de tapar o sol com a peneira e achar que somos democracia racial e que a luta é das elites contra o proletariado. O ódio irracional está entranhado em todo o tecido social. Só espera uma oportunidade para manifestar-se.

Caiam na real.

quinta-feira, 9 de abril de 2015

E quando as mulheres exercem pequenos poderes nefastos, já tem nome em inglês?

Quando uma mulher...

- impede uma subalterna (ou parceira) de concluir uma frase... (isso, vamos lembrar de relações mãe/filha, orientadora acadêmica/ mestranda, relação "patroa" e faxineiras/ frentistas/ empregadas domésticas/ depiladoras/ atendentes do McDonalds, toda sorte de moças pretas –independentemente da formação intelectual, educacional, classe social, posição profissional e orientação sexual–, e outras mulheres "invisíveis"...)

- apropria-se da ideia e leva créditos por colegas de trabalho de qualquer gênero...

- Faz outras pessoas, de qualquer gênero, sentirem-se como crianças ao receberem uma explicação...

- convence outra pessoa, de qualquer gênero, que ela está louca ou enganada sobre algo do qual tinha certeza...

Chamaremos como? Womanterrupting, womanplagiarism, womanspreading, womanslaping, gaslighting?

Evidentemente, existem especificidades, mas dentro das relações de poder, seja na vida pessoal/seja na vida corporativa, essas questões suplantam as questões de gênero.

Hora de abrir a cabeça, unir forças e pensarmos em soluções globais de melhorias inter sociais duradouras (educação e cultura popular), multiplicáveis (aparelho midiático), sustentáveis (trocas horizontais, sem ódio retroativo, mas mutuamente compreensivas) e respeito entre humanos.

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

O Gênio das #Cotas contra a #meritocracia

A menina vê algo reluzente boiando com a merda, no valão de esgoto diante do barraco no qual "vive" (?), alegremente, com oito pessoas em dois cômodos. Ela mergulha na agua fétida e descobre uma lampada mágica. Ciente do mito, que já conhece não dos livros ("coisa inútil, perda de tempo", segundo seu pai...) mas sim do DVD pirateado da Disney, não tarda a esfregar o objeto e invocar o "gênio das #cotas": "Menina tola, obrigado por me libertar. Em troca, lhe darei o direito de passar o dia na LAN house só jogando e nas redes sociais, sem fazer cursos livres e buscar informações. Também vou dar-lhe o direito de entrar na universidade sem ter que ler nenhum livro ou ser capaz de interpretar textos. Por último, vou considerá-la incapaz de estudar por conta própria e obter capacidade intelectual para resolver os problemas de sua vida e percalços de sua trajetória, balizada por seus próprios méritos. Use seu gênero,  sua origem e a cor da pele como desculpa para não ascender e livrar-se da guetificação, do corpo e das ideias. A partir de hoje você será "vitima" para o resto de sua vida.".

É. Estão construindo um país com essas premissas. A turma que tapa o sol com a peneira conseguiu transformar a #meritocracia em problema. Sintomático.

quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

A caça às bruxas da sexualidade do adolescente

Existe algum pai ou mãe que consiga impedir que suas filhas de 11/12 anos gozem e "mamem" de pé, de joelhos ou até sentadas? Só na ilusão. Afinal é para isso que existe o "vou dormir ma casa da minha amiga".

Cabe aos país orientarem quanto aos riscos sociais, legais e psicológicos da exposição publica da intimidade sexual e na prevenção contra DSTs, mesmo que as "mamadas" sejam apenas entre meninas supostamente saudáveis (sim, existe transmissão de HPV e outras DS em atividades sáficas).

Vergonha é criança recém nascida jogada em caçamba de lixo. Vamos focar, TFP do Facebook, vamos focar!!!

sábado, 29 de novembro de 2014

Mulheres cientistas: o mito da igualdade de gênero (e de unidade estética) na Índia propagado por uma foto. E o que podemos aprender com o equívoco


Toda vez que vejo uma mulher defender #Gandhi, a tristeza toma conta de mim. Um homem que textualmente usava a desculpa de sua religião para culpar a mulher por todos os males de uma determinada comunidade de castas inferiores. Ele, de casta superior, sempre foi segregacionista e nunca, em hipótese alguma, cogitou aceitar a igualdade entre gêneros e cidadãos de origens diferentes.

Um trecho do paper "Science and Society: The perspective of an Indian woman scientist”, da cientista e ensaísta indiana Anita Mehta, deixa claro o que quero dizer.

(…) On the contrary, it is often, unfortunately, those who are themselves discriminated against, who transmit this discrimination to people more vulnerable than themselves. Two examples, both from a social rather than a scientific background, come to mind: one concerns Mahatma Gandhi's statement when he was told that a certain villager (an untouchable, or 'Harijan', as Gandhi termed members of this caste) epitomized the lowest of the low in India, being poor and socially at the bottom of the pyramid. No, said Gandhi, it was not this villager who epitomized the lowliest of the low in India, but the villager's wife…. (…)

Ao contrário do odioso Ghandi, Dr. B. R. Ambedkar, o grande jurista e defensor dos direitos humanos na India (mas que não atingiu o status arquetípico e globalizado de “bondade” de Gandhi) sempre pontuou que o domínio do hinduísmo foi a derrocada do feminino na India. E esse triste legado está vivo até hoje.

O papel de Gandhi foi fundamental na aceitação global e na manutenção do sistema de castas como algo "natural" na cultura indiana. Não é. Em 2500 A.C. antes da religião HIndu tomar conta do país, o sistema de castas não existia. Os homens eram mestres dos serviços domésticos e dividiam tarefas com as mulheres. Mais: a sexualidade livre de ambos tinha importante papel nas relações sociais de igualdade, não sendo assunto "proibido". A educação, conhecimento e paticipação política e social das mulheres era igualitária a dos homens.

O sistema de castas sepultou a igualdade. E até hoje as mulheres indianas sofrem uma forte opressão. Pior: tornam-se opressoras quando pertencem às castas superiores (ou quando sendo de castas inferiores, conseguem romper as barreiras e ocupar espaços junto à elite científica) e nada fazem para mudar a história. São 250 milhões de Dalits. A maioria, mulheres. Imaginem uma população do tamanho da brasileira sendo oprimida? É a India hoje. 

A grande maioria das mulheres cientistas da India, incluindo aquelas que apareceram na foto icônica que correu o mundo, são de castas que oprimem as demais. Mesmo com os processos de #açãoafirmativa (tanto para assegurar o acesso do sexo feminino aos centros de educação superior, quanto para elevar o padrão educacional das castas ditas inferiores e repatriar cérebros), a situação não mudou. 

Pior: para tornar mais fácil o acesso a universidade, muitas mulheres de castas superiores usam nomes e endereços de mulheres de castas inferiores, roubando-lhes as vagas.

Uma vez na improvável situação de dividirem o mesmo espaço na comunidade científica, as mulheres indianas das castas superiores juntam-se aos homens na opressão às mulheres mais pobres, cedendo ao “clubinho fechado da ciência”.

Por isso aquela foto que correu o mundo quando a sonda indiana Mangalyaan chegou à Marte (ingenuamente alavancada pela falta de análise das instituições ocidentais que advogam a maior participação da mulher em todas as atividades humanas) deixou de ser uma excelente oportunidade para a discussão de papéis sociais e sobre como indivíduos comprometidos podem proporcionar mudanças. 


Uma pena que o foco tenha ficado na estética imediata (naturalmente que mulheres cientistas na Suécia, EUA, Inglaterra, Trindad e Tobago, Brasil, China, Japão, Africa do Sul, Nigéria teriam aparência diferente, de acordo com o caldo miscigenatório de cada nação), na aparência física das indianas (outro traço de preconceito, que passou batido. Falarei sobre esse tema da estética feminina em outro texto). Perdeu-se a oportunidade de traçar um paralelo com a nossa cultura (e demais culturas ocidentais que tratam o brilhantismo feminino como exceção, quase como se fosse uma surpresa).

Faltou o cuidado de notar que nenhuma daquelas mulheres da foto poderia ser uma #Dalit ou membro de casta inferior  por exemplo, bastando para isso o cuidado de identificar a postura, os sobrenomes (disponíveis no site da ISRO), trajes, roupas, adereços e acessórios.

Ao compartilharem a foto, muitas mulheres esqueceram de ler o texto que a acompanhava. A engenharia de sistemas espaciais Minal Sampath, diz: “I forget I am a woman sometimes, working in such an organisation”, falando de seu trabalho junto aos homens na Indian Space Research Organisation. 

Está claro: apesar da aparência, a sensação delas, mesmo pertencendo às castas superiores, é de que precisam anular-se como mulheres, mero reflexo do sistema social no qual estão inseridas. As mulheres, que são vitais por seu conhecimento aliado a características vitais para o trabalho em tecnologia, como a inteligência emocional e atenção ao detalhe, são apenas 20% da força de trabalho entre os cientistas. Nenhuma delas é Dalit.

Em 2009, uma pesquisa através do Web of Science (WoS), banco de dados científicos da agência Thomsom-Reuters, avaliou 9.957 papers publicados pelos principais institutos de ciência acadêmicos da India. Apenas 340 tinham sido produzidos apenas por mulheres. 4.671 papers eram colaborações entre homens e mulheres cientistas, mas com participação menor delas. E dos papeis que tiveram circulação internacional, 

Mas nem tudo está perdido. A história social da ciência precisa dessa análise e vontade de entendermos como NÃO é impossível mudar o jogo, aqui, no continente africano, na India e no resto da Ásia.

Para isso, é preciso despir-se do corporativismo que tem tornado toda mulher "uma igual" no combate a desigualdade e suas consequências. Infelizmente existem muitas mulheres opressoras, inclusive entre aquelas que se dizem progressistas e são consideradas líderes na mudança.

Deixar as distorções no foco esvaziarem a causa não traz benefícios e esvazia as discussões pertinentes as ações que podem ser tomadas em curto e médio prazo, sem depender do Estado ou das instituições. São mudanças que acontecem dentro de casa, na forma como pais passam para suas filhas as melhores formas de combater e superar adversidades, sejam elas impostas pelo gênero ou origem social.

Usar o discurso de “só uma mulher pode saber o que sofre” tampouco ajuda na superação dos problemas, aumentando o isolamento e propondo uma autosegregação baseada em gênero e na coletânea de experiências inatas.

Ainda é possível mudar. 


sábado, 8 de novembro de 2014

Filhos só devem ganhar mesada se souberem o custo real do dinheiro.

Sou contra mesada. Mas, já envolvido nesse modelo, passo a defender a proporcionalidade no caso de país com renda variável. O valor a ser pago ao filho jamais poderá ser sobre receita ‪#‎Ebitda‬ e sim uma porcentagem do lucro líquido dos pais, após impostos, amortização, custos fixos e despesas contabilizadas. Ajuda aos filhos a entenderem quanto custa aos pais freela ganhar algum caraminguá...

quarta-feira, 13 de agosto de 2014

Sim, nossas filhas gozam e não esperam "príncipes encantados". Como ajudá-las a evitar roubadas sexuais?

Para evitar chororô, mais meninas agredidas e manés de cabeça baixa na delegacia, todas as mães (mais do que os pais... afinal, mulheres tem o papel de multiplicar como devem ser as relações e manifestações de sexualidade com seu próprio gênero) deveriam ensinar para os seus filhos/filhas:

1) Em caso de sexo grupal consentido, se a menina diz NÃO durante a cópula, é óbvio que TODOS devem parar imediatamente. O fato de ser consentido não significa que mudanças de pensamento em meio ao ato não devam ser respeitadas.

2) Em hipótese alguma misture maiores e menores de idade. Ou são todos adultos ou são todos adolescentes, da mesma faixa etária. Não caia na pilha alheia.

3) Produção de imagens, apenas entre adultos e com "claquete" antes do início do ato, com nome e RG, atestando a autorização para o registro fotográfico/ videográfico, independentemente do dispositivo usado para registro. Ainda assim, se pedirem para parar de filmar/ gravar, PAREM!

4) A maioria das imagens amadoras de caráter erótico que são incorretamente compartilhadas em redes sociais/ web são feitas por meninas/ mulheres com seus dispositivos móveis. Saiba dizer NÃO para uma guria, se não quiser ter problemas depois.

5) Álcool, drogas recreativas e putaria raramente resultam em decisões sensatas quando utilizados simultaneamente aos jogos sexuais. Sim, não custa nada ensinar a um filho pateta a NÃO praticar asfixia erótica e outros malabarismos quando ele (s) ou a(s) menina(s) estiverem chapados. Obviamente, vai dar merda. Depois dos 18, façam como achar melhor.

6) Sabemos que vocês, nossos filhos e filhas, trepam. Não pretendemos interferir em suas preferências e descobertas de formas de prazer, mas temos responsabilidade legal pelas suas cagadas na vida. Sendo assim, entendam que quando um burro fala o outro abaixa a orelha. Não apenas devemos tocar no assunto (além do "papo camisinha" + DSTs + gravidez) como devemos deixar claro que sabemos o que acontece.

7) Amamos vocês incondicionalmente, mas ajudem, né? Não precisa ser nenhum Albert Einstein para perceber quando uma situação de prazer está prestes a virar uma grande roubada. Sejam espertos.